domingo, 2 de junho de 2013

Dois

No abismo 
Entre vida e morte
Tem choro sem sorte
Sorriso amputado
E alguém que parte

Nos porquês de tudo
Tem um mundo
De incertos
Palavras que vagam
Buscando o mistério

Nas canções fúnebres
Há vozes amargas
Sorrisos sem graça
Tempo chuvoso
Pessoas caladas

No abismo da sorte
Tem quem eu crio
Cores que quero
Morte extinguida
Mundo de papel e tinta

Nenhum comentário: