quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

meus respingos de sorte

sem mundo
a fundos de mundos
em busca da joia
que devolve sortes

em busca de ti
do eu que não te disse
do esquecido
a procura da sorte

sem chuva
não tem jardim
tem parque
não tem você

respinga minha face
tudo que os versos escondem
uma meia hora aqui sentado
vivendo os respingos da sorte

Nenhum comentário: