segunda-feira, 8 de agosto de 2011

eu arte poesia

como me ver
se a folha sumir
se a arte ofuscar
o brilho que quis

nada mais nada
a arte e eu
o remédio sustento
a arte e eu

tudo mais nada
nada posso fazer
nada além da verdade
a arte me faz viver

posso e não faço
o que você quis
não dei aos cães
a verdade que fiz


Nenhum comentário: