sábado, 9 de julho de 2011

paciência distante

se posso
não vivo
distante
do abrigo
morrendo
assolado
cansado
da vida
se quero
estou longe
mais perto
ou distante
amigo
escondido
de tempos
antigos
com preces
sem fé
ajudo
de pé
o homem
sou eu
distante
me quer
outros varíos
estraga o vazio
a pressa
já cheia
aberta
é um rio
de posses
sou eu
morando onde é
a casa do rei
rei se puder

Nenhum comentário: