sábado, 16 de julho de 2011

estranho espelho

quem mais que eu
não quer nada assim
ver sonho dormindo
sofrimento sem fim

vejo a coragem
olhando ao espelho
tento pegá-la
mas isso é alheio

me enxergo nas águas
sou torto e sem cor
volto pra o quarto
o espelho quebrou

sorte sem morte
que tenta minha sorte
que esconde um segredo
o que amo a morte


Nenhum comentário: