sábado, 16 de julho de 2011

enquanto estou

sabe
nada é tão bom
quanto parece
tudo diverge
em ombros sofridos
em homens feridos
em moças pedestres
em carro no trânsito
frases perecem

sabe
o mundo te negou
por horas sofreu
por ti lamentou
andou por ladrilhos
comeu no teu prato
lavou sua cozinha
e na hora do almoço
rezou seu fracasso

nada!
tudo morreu
quando pude nascer
me erguer do silêncio
pra o som que me via
me olhava sozinho
distante de tudo
morto à merce
do que acredito

sabe
o mundo não soube
do tanto de dores
que ardia em meu peito
mas nunca escondia
do dardo em aberto
que era cortante
não me dava chances
em tempos morriam

enfim
o mundo esqueceu
que nada devia
ao som da verdade
me deu condições
pra sempre encontrar
ao súdito tempo
deu o obrigar
de nunca esquecer
o por quê de parar

Nenhum comentário: