terça-feira, 7 de junho de 2011

traição

eu não estou lá
bata a campainha
e se alguém abrir a porta
leve tudo o que pertence a ti

são seis da manhã
estou na areia avistando o mar
abra a porta e entre escondido
deixe-me viver pelas ondas do mar

fuja antes que eu chegue
não me dê tempo pra te implorar
leva a toalha tecida o seu nome
se ela ficar eu vou queimá-la

me deixe a porta aberta
deixe-me um bilhete escrito adeus
coma os pães que você comprou
parta pra o mundo onde vivem os seus

eu tenho o endereço daquele rapaz
se quiser posso lhe dar
grite amor na casa dele
lá tem lugar pra te abrigar

traição é um inferno
e o seu lugar ninguém vai ocupar
vou me comprar uma boneca de pano
quem saiba ela saiba me respeitar

Nenhum comentário: