segunda-feira, 27 de junho de 2011

por onde eu vá

Sei que tudo acabou
Nada pode restar
De um sonho sonhado por mim
E que você tentou sufocar

Marche em sua direção
Pois eu hei de ficar
Mudo minha rota tão rotineira
A espera de um dia poder voltar

Rumos tão distantes
Outras rodovias hei de cruzar
Sala tão perfumada
Mulher que não posso deixar

Eu não vou deixar a rota
Tudo pode mudar
Mas em respeito a sua escolha
Faço a minha pra te ajudar

Nenhum comentário: