terça-feira, 7 de junho de 2011

borboleta

distante de mim
longe de casa
prestes a bater asas
no sigilo das calmas águas

meu ébano
até pareço não existir
conto com a fada de um bom jardim
que me encanta nas madrugadas

o horizonte te apegou
nada mais pode morrer
a sua doçura de lábios macios
faz dos meus sonhos um não entender

moça de asas supremas
borboleta que me faz viver
pode o mundo tornar-me escuro
mas dos meus sonhos não te esquecer

Nenhum comentário: