quarta-feira, 18 de maio de 2011

juntando cacos

eu não sabia como enxergar tudo isso
ainda não acredito que aconteceu
só posso enxergar quando estou na varanda
e um tchau de lamento me soa morreu

eu sei que posso evitar meus conflitos
mas ainda me dopo pra não parar
o álcool é a minha nova e antiga amante
e longe dele eu não posso ficar

quando passar por minha varanda
evite sorrir ou sequer me saudar
pois sua vontade ainda mora em meus lábios
e os meus lábios só pede álcool e sem parar

eu me modifico a todo instante
e já no mundo eu não quero ficar
parece que nada foi feito pra mim
e todos parecem querer me matar

eu ainda posso me modificar
posso trocar o silêncio e romper outra vez
lembrar que as mentiras fui eu quem criei
e ter você comigo outra vez

eu vou sair para brigar
ou para tentar encontrar outro alguém
quero beber o quanto aguentar
ou ir a igreja descobrir quem sou eu

isso parece ser simples como você
mas é mais complexo do que eu
sei que é difícil entender tudo isso
mas me ajude a entender onde tudo morreu

Nenhum comentário: