sexta-feira, 13 de maio de 2011

eu sou menino

Nada era tão valioso
 Quanto aquele campinho de terra
Que me sujava com muito carinho
Quando eu ainda era menino

Lá eu fiz pipa empinar
Cortei as mãos com caco de vidro
Joguei futebol sem a tampa do dedo
E sempre brigava com os outros meninos

Era campinho o dia inteiro
Queria o campinho e não a escola
Minha cabeça doía até as treze horas
Por que as quinze era hora de jogar bola

No campinho aprendi brincadeiras
Fui do palavrão a esperteza
Aprendi a maldade do hoje
Num mundo de ainda menino

O campinho foi dono de histórias
E sem fofocar não disse a ninguém
Que eu sempre o pedia conselhos
E foi lá que me tornei um alguém

Nenhum comentário: